Estamos divididos. Somos sete cursos de graduação, quatro cursos de pós-graduação e três departamentos espalhados por três campi diferentes. Temos um projeto de construção de uma nova sede, com custo estimado de R$100 milhões. Um belo sonho, que parece tão lindo quanto distante.

indexCriamos um setor para compartilhar estruturas e buscar sinergias, mas estamos separados. Cada um com seus problemas, não compartilhamos, nem colaboramos. Nossas graduações, pós-graduações, projetos de extensão e de pesquisa pouco se conhecem, professores e alunos estão circunscritos aos seus cursos. O que seria uma unidade da UFPR com alto poder criativo, gerado pela integração de Artes, da Comunicação e Design está desintegrada em unidades distantes, deixando de compor um caldeirão cultural fundamental para novas abordagens pedagógicas, novas pesquisas, novas formas integração com a sociedade.

Concebemos um novo setor para ampliar nosso poder político externo, mas nos anulamos nos últimos quatro anos. Não temos parcerias com outros setores, unidades e cursos. Somos uma ilha na universidade, um arquipélago, na verdade, isolados num oceano de conhecimento.

Não temos inserção social, dialogamos pouco com a sociedade, apesar da potencialidade das áreas de Comunicação, Artes e Design.

Por isso precisamos romper o isolamento.

Um lugar, espaços compartilhados, projetos coletivos

A consolidação do Sacod passa pela construção do nosso campus. R$100 milhões aproximadamente nos separam disso. Parece impossível, mas não é.

Primeiro, temos que cobrar um orçamento preciso da Administração Central, não estimativo. Deste valor, precisamos saber claramente quanto diz respeito à construção dos novos estúdios da UFPRTV e Rádio Universitária e quanto é o valor estimado da reforma do prédio central para receber a reserva técnica do MAE, um gasto desnecessário de qualquer forma. Compete ao Sacod e à Administração Central viabilizar recursos para os espaços didáticos e administrativos do Setor. Compete somente à Administração Central viabilizar recursos para as obras da UFPRTV. O MAE pode ser instalado em outros espaços, como na sede de Piraquara.

Com um orçamento mais preciso, é possível buscar alternativas. Caso necessário, a construção pode ser dividida em módulos, como tem sido a orientação do Tribunal de Contas da União.

Temos um patrimônio valioso que pode ser colocado como parte do pagamento e, dependendo dos custos, como pagamento integral: o imóvel no Batel. Precisamos de uma avaliação prévia, mas é possível oferecer a atual sede dos cursos de Artes como pagamento pela construção do prédio, no todo ou em parte, no campus Cabral. A construtora receberá o terreno apenas depois que o prédio for entregue e Artes mudar para o novo campus.

Antes disso, é possível otimizar os espaços físicos, que possam ser compartilhados, como estúdios de rádio e de fotografia, ateliês e oficinas. É preciso aproximar os cursos, permitir maior fluxo de alunos em disciplinas optativas, buscar sinergias em projetos de extensão ou pesquisa. Tudo isso, que já poderia ter sido feito, mesmo com o novo prédio apenas na planta, ainda está por fazer.

O primeiro isolamento a romper é interno, dos cursos e departamentos entre eles.

O Sacod e a UFPR

Estamos separados do resto da UFPR. Temos poucos professores ministrando aulas em outros cursos fora do setor e poucos de fora ministram aulas para os nossos alunos, não temos projetos conjuntos com outras áreas, nem participamos de movimentos para obter emendas parlamentares e recursos no CT-Infra (edital do governo para construção de grandes estruturas de pesquisa) ou Pró-equipamentos. Nossa inserção na política universitária é baixa também. Se a criação do Setor tinha como um dos seus objetivos aumentar o poder da área, até pelas necessidades maiores de infraestrutura, isso não aconteceu.

Por isso, é preciso aumentar o diálogo, buscar parcerias, atuar junto com outras unidades da UFPR. É preciso buscar a expertise de setores como a Exatas (sobretudo a informática) e Educação para criar uma unidade de projetos, com capacidade de prospectar editais, ajudar na elaboração de propostas e na execução posterior. Os Setores de Ciências Agrárias e Sociais Aplicadas podem colaborar na estruturação de uma área mais consistente de pós-graduações lato sensu. Na educação à distância, podemos ser ponta, criar um núcleo de EaD para oferecer conteúdos livres, material de apoio às aulas e cursos on line, em parceria com o Sept e Cipead. E atender outras unidades da UFPR.

A relação com Administração Central tem que ser constante, em função sobretudo da construção da nova sede. Há debates centrais acontecendo, como o Modelo de Alocação de Vagas Docentes e as 30 horas dos técnicos administrativos. Um setor que se pretende protagonista tem que se inserir, dialogar, aparar divergências, construir o futuro da UFPR e do Setor com os diversos atores da instituição.

A cidade e o mundo

O Sacod é parte da UFPR, uma universidade pública com uma grande responsabilidade social. Apoio aos projetos de extensão, integração entre eles, tudo isso é fundamental, mas o caráter extensionista e inovador deve perpassar os cursos do começo ao fim. Arte, Comunicação e Design são áreas onde inovação é fundamental, mais ainda com as perspectivas abertas pela tecnologia.

Uma das formas de falar com sociedade é através da criação de uma associação de ex-alunos, que aproxime egressos e discentes para o desenvolvimento de projetos e incubação de start ups, com capacidade de gestar soluções para problemas sociais, de gerenciar recursos, captar patrocínio através de leis de incentivo e produzir arte e cultura. É preciso ocupar a cidade.

Por outro lado, se relacionar com o mundo é condição necessária para a melhoria da pesquisa e da pós-graduação, ampliando convênios, projetos de pesquisa internacionais, intercâmbio de alunos e professores. Nossos programas de pós-graduação devem mirar na melhoria nos índices de avaliação, na criação de doutorados e em notas 6 e 7, pelas Capes, o que só virá com internacionalização.

Por fim, nossa obrigação social nos impõe mirar sempre em crescimento de oferta de vagas de ensino de graduação, pós-graduação, cursos livres e especializações. O Sacod é pequeno, o 2º menor da UFPR em docentes (ganha apenas do recém-criado Campus Jandaia), o 3º menor em técnicos administrativos, o 4º menor em vagas no vestibular, o 3º menor em alunos matriculados. Apesar do tamanho, somos o 4º que mais recebe alunos de fora e o 5º que mais manda alunos para intercâmbios na graduação. E tivemos uma média de 11,71 candidatos por vaga no último vestibular.

Temos que perseguir a criação de doutorados e buscar condições humanas e orçamentárias para novas propostas de cursos de graduação. Sem contrapartida da Universidade e do Governo, não expandimos vagas, mas devemos ter projetos e estar preparados para isso.

Os próximos quatro anos serão fundamentais. Romper a inércia, planejar, buscar convergências, compartilhar problemas, construir coletivamente soluções: este é o sonho. E tudo começa no pensamento, no diálogo. Uma eleição é sobre isso, sobre sonhar, dialogar e construir o futuro juntos.

Anúncios