O desejo disse:
– Vá…
Eu não quis.
Ou quis, por que o desejo sabia.
Não fui.
Ele argumentou:
– És livre.
Pois sou mesmo.
Então, não medi.
Caminhei.
O desejo riu,
por que o desejo é o desejo.
Ele não aceita não.
É inofensivo, mas repete
sempre, a mesma frase.
Um dia, você o ouve.
Quando ele fala alto, porém,
todo resto parece mudo.
O desejo é o senhor de um reino sem muros.

Anúncios